Informações sobre os lançamentos das melhores apostilas (impressa e PDF) e cursinhos online preparatórios para concursos públicos em todo o Brasil.

Apostila Concurso TRT-16 MA - Técnico Judiciário - Área Administrativa (TJAA) - 2014

A Editora Opção, 21 anos no mercado, está lançando Apostila impressa e em pdf, com 584 páginas, preparatória para o cargo de Técnico Judiciário - Área Administrativa, do concurso público de 2014 do Tribunal Regional do Trabalho da 16ª Região, com jurisdição no estado do Maranhão - TRT-16. 
Clique aqui para acessar esta apostila
As inscrições no concurso do TRT-MA serão realizadas, exclusivamente, via Internet, no período das 10h do dia 24/02/2014 às 14h do dia 18/03/2014 (horário de Brasília). Para inscrever-se, o candidato deverá acessar o endereço eletrônico www.concursosfcc.com.br durante o período das inscrições.
Cargos do concurso do TRT16:
Analista Judiciário - Área Judiciária
Analista Judiciário - Área Judiciária - Especialidade Oficial de Justiça Avaliador Federal
Analista Judiciário - Área Administrativa
Analista Judiciário - Área Administrativa - Especialidade Contabilidade
Analista Judiciário - Área Apoio Especializado - Especialidade Biblioteconomia
Analista Judiciário - Área Apoio Especializado - Especialidade Engenharia
Analista Judiciário - Área Apoio Especializado - Especialidade Estatística
Analista Judiciário - Área Apoio Especializado - Especialidade Medicina
Analista Judiciário - Área Apoio Especializado - Especialidade Odontologia
Analista Judiciário - Área Apoio Especializado - Especialidade Tecnologia da Informação
Técnico Judiciário - Área Administrativa
Técnico Judiciário - Área Apoio Especializado - Especialidade Enfermagem
Técnico Judiciário - Área Apoio Especializado - Especialidade Tecnologia da Informação

Saiba um pouco de Concordância Verbal (extraído do Manual de Redação da Presidência da República):

        Regra geral: o verbo concorda com seu sujeito em pessoa e número.

        Os novos recrutas mostraram muita disposição. (CP: eu mostrei, você (ou ele) mostrou, nós (eu e...) mostramos...)

        Se o sujeito for simples, isto é, se tiver apenas um núcleo, com ele concorda o verbo em pessoa e número:

        O Chefe da Seção pediu maior assiduidade.

        A inflação deve ser combatida por todos.

        Os servidores do Ministério concordaram com a proposta.

        Quando o sujeito for composto, ou seja, possuir mais de um núcleo, o verbo vai para o plural e para a pessoa que tiver primazia, na seguinte ordem: a 1a pessoa tem prioridade sobre a 2a e a 3a; a 2a sobre a 3a; na ausência de uma e outra, o verbo vai para a 3a pessoa.

        Eu e Maria queremos viajar em maio.

        Eu, tu e João somos amigos.

        O Presidente e os Ministros chegaram logo.

        Observação: Por desuso do pronome vós e respectivas formas verbais no Brasil, tu e ... leva o verbo para a 3a pessoa do plural: Tu e o teu colega devem (e não deveis) ter mais calma.

        Analisaremos a seguir algumas questões que costumam suscitar dúvidas quanto à correta concordância verbal.

        a) Há três casos de sujeito inexistente:

        – com verbos de fenômenos meteorológicos:

        Choveu (geou, ventou...) ontem.

        – em que o verbo haver é empregado no sentido de existir ou de tempo transcorrido:

        Haverá descontentes no governo e na oposição.

        Havia cinco anos não ia a Brasília.

        Errado: Se houverem dúvidas favor perguntar.

        Certo: Se houver dúvidas favor perguntar.

        Para certificar-se de que esse haver é impessoal, basta recorrer ao singular do indicativo: Se há ( e nunca: *hão) dúvidas... Há (e jamais: *Hão) descontentes...

        – em que o verbo fazer é empregada no sentido de tempo transcorrido:

        Faz dez dias que não durmo.

        Semana passada fez dois meses que iniciou a apuração das irregularidades.

        Errado: Fazem cinco anos que não vou a Brasília.

        Certo: Faz cinco anos que não vou a Brasília.

        São muito freqüentes os erros de pessoalização dos verbos haver e fazer em locuções verbais (ou seja, quando acompanhados de verbo auxiliar). Nestes casos, os verbos haver e fazer transmitem sua impessoalidade ao verbo auxiliar:

        Errado: Vão fazer cinco anos que ingressei no Serviço Público.

        Certo: Vai fazer cinco anos que ingressei no Serviço Público.

        Errado: Depois das últimas chuvas, podem haver centenas de desabrigados.

        Certo: Depois das últimas chuvas, pode haver centenas de desabrigados.

        Errado: Devem haver soluções urgentes para estes problemas.

        Certo: Deve haver soluções urgentes para estes problemas.

        b) Concordância facultativa com sujeito mais próximo: quando o sujeito composto figurar após o verbo, pode este flexionar-se no plural ou concordar com o elemento mais próximo.

        Venceremos eu e você.

        – ou:

        Vencerei eu e você.

        – ou, ainda:

        Vencerá você e eu.

        c) Quando o sujeito composto for constituído de palavras sinônimas (ou quase), formando um todo indiviso, ou de elementos que simplesmente se reforçam, a concordância é facultativa, ou com o elemento mais próximo ou com a idéia plural contida nos dois ou mais elementos:

        A sociedade, o povo une-se para construir um país mais justo.

        – ou então:

        A sociedade, o povo unem-se para construir um país mais justo.

        d) O substantivo que se segue à expressão um e outro fica no singular, mas o verbo pode empregar-se no singular ou no plural:

        Um e outro decreto trata da mesma questão jurídica.

        – ou:

        Um e outro decreto tratam da mesma questão jurídica.

        e) As locuções um ou outro, ou nem um, nem outro, seguidas ou não de substantivo, exigem o verbo no singular:

        Uma ou outra opção acabará por prevalecer.

        Nem uma, nem outra medida resolverá o problema.

        f) No emprego da locução um dos que, admite-se dupla sintaxe, verbo no singular ou verbo no plural (prevalece este no uso          atual):

        Um dos fatores que influenciaram (ou influenciou) a decisão foi a urgência de obter resultados concretos.

        A adoção da trégua de preços foi uma das medidas que geraram (ou gerou) mais impacto na opinião pública.

        g) O verbo que tiver como sujeito o pronome relativo quem tanto pode ficar na terceira pessoa do singular, como concordar com a pessoa gramatical do antecedente a que se refere o pronome:

        Fui eu quem resolveu a questão.

        – ou:

        Fui eu quem resolvi a questão.

        h) Verbo apassivado pelo pronome se deve concordar com o sujeito que, no caso está sempre expresso e vem a ser o paciente da ação ou o objeto direto na forma ativa correspondente:

        Vendem-se apartamentos funcionais e residências oficiais.

        Para obterem-se resultados são necessários sacrifícios.

        Compare: apartamentos são vendidos e resultados são obtidos; vendem apartamentos e obtiveram resultados.

        Verbo transitivo indireto (i. é, que rege preposição) fica na terceira pessoa do singular; o se, no caso, não é apassivador pois verbo transitivo indireto não é apassivável:

        *O prédio é carecido de reformas.

        *É tratado de questões preliminares. Assim, o correto é:

        Assiste-se a mudanças radicais no País. (E não *Assistem-se a...)

        Precisa-se de homens corajosos para mudar o País. (E não *Precisam-se de...)

        Trata-se de questões preliminares ao debate. (E não *Tratam-se de...)

        i) Expressões de sentido quantitativo (grande número de, grande quantidade de, parte de, grande parte de, a maioria de, a maior parte de, etc) acompanhadas de complemento no plural admitem concordância verbal no singular ou no plural. Nesta última hipótese, temos "concordância ideológica", por oposição à concordância lógica, que se faz com o núcleo sintático do sintagma (ou locução) nominal (a maioria + de...):

        A maioria dos condenados acabou (ou acabaram) por confessar sua culpa.

        Um grande número de Estados aprovaram (ou aprovou) a Resolução da ONU.

        Metade dos Deputados repudiou (ou repudiaram) as medidas.

        j) Concordância do verbo ser: segue a regra geral (concordância com o sujeito em pessoa e número), mas nos seguintes casos é feita com o predicativo:

        – quando inexiste sujeito:

        Hoje são dez de julho.

        Agora são seis horas.

        Do Planalto ao Congresso são duzentos metros.

        Hoje é dia quinze.

        – quando o sujeito refere-se a coisa e está no singular e o predicativo é substantivo no plural:

        Minha preocupação são os despossuídos.

        O principal erro foram as manifestações extemporâneas.

        – quando os demonstrativos tudo, isto, isso, aquilo ocupam a função de sujeito:

        Tudo são comemorações no aniversário do município.

        Isto são as possibilidades concretas de solucionar o problema.

        Aquilo foram gastos inúteis.

        – quando a função de sujeito é exercida por palavra ou locução de sentido coletivo: a maioria, grande número, a maior parte, etc.

        A maioria eram servidores de repartições extintas.

        Grande número (de candidatos) foram reprovados no exame de redação.

        A maior parte são pequenos investidores.

        – quando um pronome pessoal desempenhar a função de predicativo:

        Naquele ano, o assessor especial fui eu.

        O encarregado da supervisão és tu.

        O autor do projeto somos nós.

        Nos casos de frases em que são empregadas expressões é muito, é pouco, é mais de, é menos de o verbo ser fica no singular:

        Três semanas é muito.

        Duas horas é pouco.

        Trezentos mil é mais do que eu preciso.

        l) A concordância com expressões de tratamento é tratada em detalhe em 2.1.2. Concordância com os Pronomes de Tratamento, p. 14.

        m) Concordância do Infinitivo

        Uma das peculiaridades da língua portuguesa é o infinitivo flexionável: esta forma verbal, apesar de nominalizada, pode flexionar-se concordando com o seu sujeito. Simplificando o assunto, controverso para os gramáticos, valeria dizer que a flexão do infinitivo só cabe quando ele tem sujeito próprio, em geral distinto do sujeito da oração principal:

        Chegou ao conhecimento desta Repartição estarem a salvo todos os atingidos pelas enchentes. (sujeito do infinitivo: todos os atingidos pelas enchentes)

        A imprensa estrangeira noticia sermos nós os responsáveis pela preservação da Amazônia. (sujeito do infinitivo: nós)

        Não admitimos sermos nós... Não admitem serem eles...

        O Governo afirma não existirem tais doenças no País. (sujeito da oração principal: o governo; sujeito do infinitivo: tais doenças)

        Ouvimos baterem à porta. (sujeito (do infinitivo) indefinido plural, como em Batem (ou Bateram) à porta)

        O infinitivo é inflexionável nas combinações com outro verbo de um só e mesmo sujeito – a esse outro verbo é que cabe a concordância:

        As assessoras podem (ou devem) ter dúvidas quanto à medida.

        Os sorteados não conseguem conter sua alegria.

        Queremos (ou precisamos, etc.) destacar alguns pormenores.

        Nas combinações com verbos factitivos (fazer, deixar, mandar...) e sensitivos (sentir, ouvir, ver...) o infinitivo pode concordar com seu sujeito próprio, ou deixar de fazê-lo pelo fato de esse sujeito (lógico) passar a objeto direto (sintático) de um daqueles verbos:

        O Presidente fez (ou deixou, mandou) os assessores entrarem (ou entrar).

        Sentimos (ou vimos, ouvimos) os colegas vacilarem (ou vacilar) nos debates.

        Naturalmente, o sujeito semântico ou lógico do infinitivo que aparece na forma pronominal acusativa (o,-lo, -no e flexões) só pode ser objeto do outro verbo:

        O Presidente fê-los entrar (e não *entrarem)

        Sentimo-los (ou Sentiram-nos, Sentiu-os, Viu-as) vacilar (e não *vacilarem).


Conheça também as apostilas da Editora Solução e Editora Nova.

Nenhum comentário:

Postar um comentário